Uma professora de educação básica criou alvoroço nas redes sociais após negar o estupro de uma criança de 10 anos que foi violentada e teve que fazer aborto, após engravidar supostamente do tio. 

A docente, Eliana Nuci de Oliveira, ironizou a situação e disse que a menina “deve ter sido bem paga” pelo estuprador, em um comentário nas redes sociais. Ela disse que a garotinha não passou por “nenhuma violência” e que “ela já tinha vida sexual há quatro anos com esse homem. Deve ter sido bem paga”, afirmou.

Nesta quarta-feira (19), a Secretaria de Educação do Estado de São Paulo informou a demissão da professora, segundo informações da Folha de S. Paulo.

Em outra publicação exacerbada, Eliana diz que “crianças se defendem chorando pra mãe”. “Esta menina nunca chorou por quê?”, questionou. 

A vítima ficou grávida aos 10 anos, mas, felizmente, conseguiu autorização da Justiça para interromper a gestação.

“[Ela foi] demitida imediatamente para não estar próxima de nossas crianças e jovens”, afirmou o secretário da pasta, Rossielli Soares da Silva. “É um absurdo uma profissional que deve ser educadora e defensora da infância afirmar que não é uma violência. Repúdio total a qualquer um que defenda um absurdo”, falou.