Começa nesta segunda-feira (6), o julgamento dos quatro Pms acusados de participação na chacina do Guamá, em Belém. Serão julgados os cabos José Maria Silva Noronha, Pedro Josemar nogueira da silva, Wellington almeida oliveira e Leonardo Fernandes de lima. A audiência começa às 9hs da manhã e será presidida pelo juiz Lucas do Carmo.

Segundo o Ministério Público Militar, todos tiveram ação direta na morte das onze pessoas dentro de um bar localizado no bairro do Guamá, em Belém, no dia 19 de maio de 2020. O grupo que atacou as vítimas era formado por sete pessoas. Dessas, quatro eram Pms. Todos estão presos.

Ainda segundo o ministério público militar, os criminosos estavam encapuzados e usavam roupas pretas. Todas as vítimas foram atingidas com tiros na cabeça.

Um conselho de justificação, composto por sete oficiais, decidirá se de fato os Pms participaram da ação criminosa, com base em depoimentos de testemunhas, provas documentais que serão expostos e as versões apresentadas pelo acusados.

Caso sejam condenados, os Pms podem pegar até 50 anos de prisão.

A chacina

Cruzes com os nomes das vítimas da chacina do Guamá foram colocadas no local do crime.  — Foto: Carlos Brito / TV Liberal
Cruzes com os nomes das vítimas da chacina do Guamá foram colocadas no local do crime. — Foto: Carlos Brito / TV Liberal

O crime conhecido como ‘Chacina do Guamá’ ocorreu na tarde do dia 19 de maio de 2019, dentro de um bar, na passagem Jambu, no bairro do Guamá, em Belém. A chacina deixou 11 mortos, a maioria baleadas na cabeça, sendo seis vítimas do sexo feminino e cinco homens, e uma pessoa ficou ferida.

De acordo com a polícia, uma festa ocorria no bar quando sete homens encapuzados chegaram em uma moto e três carros e dispararam contra as vítimas. Além dos militares, quatro civis foram denunciados como participes do crime.

Segundo a promotoria responsável pelo crime, a hipótese é que o crime teria relação com tráfico de drogas. Sete das 11 vítimas estavam sob efeito de cocaína no momento do crime.