RIO – A Petrobras está reajustando a partir desta sexta-feira os preços da gasolina, diesel e do gás de cozinha (GLP) em suas refinarias e bases de distribuição.

A estatal  aumentou em 5% em média os preços da gasolina, que passou a custar R$ 1,53 por litro nas refinarias.

Esse é o sétimo  aumento consecutivo do combustível nas últimas semanas, acompanhando a alta dos preços do petróleo no mercado internacional.

Já o diesel  teve um reajuste médio de 8%,  e passou a ser a ser vendido a  R$ 1,63 por litro nas refinarias.

O  gás de cozinha, vendido principalmente em botijões de 13 quilos para consumo residencial, também teve um aumento de 5%.

No início do ano, por conta das fortes quedas nos preços do petróleo, a Petrobras reduziu os preços da gasolina em 12 ocasiões, e por isso o valor do combustível ainda acumula uma queda de 20,2%.

Já no caso do diesel, este é o terceiro aumento no ano, mas ele acumula  uma redução de 30,2%, devido às 11 reduções feitas nos primeiros meses do ano.

Nesta sexta os preços do petróleo do tipo Brent, referência no mercado mundial, estavam em torno de US$ 41,99 o barril — ele chegou a ser cotado abaixo dos US$ 20 em abril último por conta da paralisação da economia a nível mundial com a pandemia.

O petróleo tipo WTI, negociado nos Estados Unidos, está sendo cotado a US$ 39,57 o barril, depois de ter chegado a cotações negativas.

GLP: preços equalizados

Com o novo reajuste de preços do gás de cozinha, o   preço médio de venda da Petrobras será da ordem de R$ 25,29 por botijão de 13kg.

Apesar dos últimos reajustes, no o acumulado do ano o produto ainda registra uma  redução de 9,1%.

A Petrobras ressaltou que, desde novembro do ano passado, a companhia  igualou os preços de GLP para os segmentos residencial e industrial/comercial,  vendido  a granel.

“As distribuidoras são as responsáveis pelo envase em diferentes tipos de botijão e, junto com as revendas, são responsáveis pelos preços ao consumidor final”, afirmou a Petrobras em nota.