O Prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho, realizou mais uma live na manhã desta quarta-feira, 6, para prestar esclarecimentos a respeito do “lockdown” que será implementado em dez municípios paraenses, incluindo Belém, a partir de amanhã, 7.

Zenaldo iniciou a transmissão, comentando a reabertura da Unidade de Pronto Atendimento do Jurunas, realizada ontem, 5. Segundo a Prefeitura, a UPA conta com serviços de clínica geral, odontologia, radiologia, eletrocardiografia, enfermagem e traumatologia. Com a UPA do Jurunas, a capital paraense passa a ter cinco unidades de pronto atendimento com os serviços de urgência e emergência. 

O Prefeito reforçou que, a campanha de vacinação continua normalmente nas unidades básicas de saúde. Outro ponto muito questionado pelos internautas é a ausência de medicamentos nos hospitais e farmácias. “Recebemos uma quantidade de 7 mil medicamentos, o que daria para aproximadamente 1 mil pacientes. Infelizmente, não é uma quantidade que abastece a nossa população que conta com mais de 1 milhão de pessoas”, explicou Zenaldo.  

Sobre o “lockdown”, Zenaldo explicou que trata-se de uma medida que tem como objetivo restringir a circulação de pessoas nas ruas. Segundo o Prefeito, apenas as atividades essenciais estarão autorizadas a funcionar durante este período. 

Profissionais como taxistas, motoristas de aplicativo, agentes de segurança, agentes de trânsito, telecomunicações, captação de lixo, agentes de condomínios, serviços domésticos e serviços funerários estão aptos a trabalharem durante o período de “lockdown”. Restaurantes, bares e lanchonetes apenas através do serviço de delivery.

A Prefeitura reforçou a presença de agentes de fiscalização nas ruas da capital para garantir que o decreto seja colocado em prática. Semob, Detran e Guarda Municipal irão atuar em conjunto durante o período de “lockdown”. A circulação de pessoas entre os municípios da região metropolitana também estará proibida. 

Supermercados, feiras e farmácias continuam funcionando normalmente. No entanto, a partir de amanhã, 7, “barreiras” serão montadas na entrada dos estabelecimentos para evitar a superlotação.

O decreto entra em vigor a partir de amanhã, 7, e terá uma duração de dez dias. O “lockdown” foi uma decisão acordada entre a Prefeitura de Belém, Governo do Estado e outras nove prefeituras da região metropolitana e nordeste do estado.