A Polícia Civil do Pará, por meio de sua Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher – DEAM e a Delegacia Especializada no Atendimento à Criança e Adolescente – DEACA do município de Castanhal, em colaboração com o NAI Castanhal, divulgou o retrato falado de um homem conhecido como “Índio“,  suspeito de ter cometido crimes sexuais contra mulheres e adolescentes no município.

VEJA TAMBÉM:

Ele é descrito como andarilho, pedinte e acusado de cometer pequenos furtos pela região. Uma das vítimas de “Índio” foi até a DEAM e prestou depoimento. No local foi feito o retrato falado do suspeito. As características do retrato são compatíveis com outros dois retratos de suspeitos pelo mesmo crime citado.  “Índio” é moreno, tem cabelo liso, estatura mediana, possui entre 30 e 35 anos, e tem uma cicatriz na bochecha esquerda Há também outros registros de relatos de vítimas que, pelo mesmo crime, descreveram o suspeito tendo a mesma descrição física, com cicatriz no rosto, e todas deram ênfase ao comportamento agressivo do suspeito.

Todas as vítimas fizeram retrato falado, e segundo a delegada que coordena o caso, a análise de comparação feita pela papiloscopista responsável, a aproximação entre um retrato e outro é de 70 a 80%, comprovando que possa ser a mesma pessoa. 

A Polícia Civil reitera sobre a necessidade de a população efetuar a denúncia caso veja alguém na rua parecido com o retrato falado de “Índio”. “As denúncias serão encaminhadas para a delegacia da mulher da região e cada informação será devidamente apurada pela equipe da polícia. Alertamos à população que não queira fazer justiça com as próprias mãos. Embora o ato de linchamento seja visto com naturalidade por uma parcela da população, aos olhos da Justiça Brasileira é visto como barbárie e violência gratuita, sendo atores responsabilizado penalmente. Para que não seja cometida alguma injustiça, o correto é que a polícia seja acionada pelos números 100, 180 ou 181.

Os canais de Disque Denúncia garantem o sigilo da fonte informante”, explicou a delegada Lidiane Pinheiro, titular da DEAM Castanhal

Os atos de espancamentos, linchamentos ou aprisionamentos de suspeito por parte da população como medida alternativa, é enquadrado em modalidade criminal, segundo o código penal brasileiro, e prevê pena de detenção de 15 dias a um mês, ou multa, além de pena correspondente à violência praticada, seja por homicídio, ou lesão corporal, por exemplo. 

As vítimas de “Índio” foram encaminhadas para tratamento psicológico, e inquérito segue em andamento.A Polícia Civil em Castanhal segue com os procedimentos de apuração para a localização do suspeito, e elucidação dos fatos.